"Esvaziou-se a si mesmo..." (Flp 2,7)

Monday, 20 August 2018

  • Slide image one
  • Slide image two
  • Slide image three
Afabilidade, bondade e brandura


Viver como convém a Santos, sendo tudo para todos”.

Nesta semana somos convidados mergulhar na meditação sobre os frutos do Espírito: afabilidade, bondade e brandura, frutos estes intimamente ligados entre si, isso porque nos revelam um modo de nos relacionarmos a luz da Palavra de Deus.

Pois bem! Ao iniciarmos este mergulho, voltemos um olhar sincero para dentro de nós mesmos e ousemos nos questionar: Como estão os meus relacionamentos? Como eu me relaciono com o outro?

Ora, talvez para alguns responder a tais perguntas seja simples demais, no entanto, para outros, complexo demais. O mais importante é buscarmos a resposta sob a luz do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para que nossa verdade nos seja apresentada por meio desta Luz. Em busca de auxílio às respostas a estas questões, meditemos cada um destes frutos e, ao final, poderemos responder com maior clareza e sinceridade.

 
A paciência


O mundo de hoje incita em nossa alma uma rapidez que nos faz escravos do tempo, de nós mesmos e dos outros. Tudo precisa ser feito rapidamente: não há tempo para esperar; a ansiedade e o estresse parecem naturais e normais. A Palavra de Deus, por dezenas de vezes, nos exorta, motiva e ensina a ter paciência diante da vida, dos fatos, das pessoas... (Rom 12,12; Gal 5,22; Sl 37,7-9)

 
A virtude da Paz


Dentro de nós existe um campo de batalha onde está o pecado original. A paz no mundo (fora de nós) só se dará quando a paz dentro de cada um for restituída com Deus, onde se encontram as raízes de todo ser humano.

Esta reflexão, nos leva a perceber que para chegar à paz, é necessária uma batalha contra o mal que se encontra dentro e fora de nosso interior. Jesus nos exorta: “Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada.” (Mt 10,34).

 
Em Busca do Amado

INGRESSOS ESGOTADOS PARA APRESENTAÇÃO EM OSASCO-SP

 
A alegria como fruto do Espírito Santo

A Palavra de Deus nos ensina, por meio de vários personagens, como manifestarmos alegria em todas as circunstâncias. São muitas as passagens da Sagrada Escritura que nos revelam o testemunho daqueles que de maneira profunda experimentaram em suas vidas o fruto da alegria: “Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. [...]. Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio”. (Lc 1,41. 44)

Podemos citar o exemplo de Maria ao compor o Magnificat. Nesse grande cântico de alegria, Nossa Senhora nos ensina que, estando cheios do Espírito Santo, a nossa alma também glorificará ao Senhor: “Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu salvador...” (Lc 1,47). Sendo, portanto, portadores da alegria, frutificá-la-emos na vida dos nossos irmãos. É por este poder do Espírito que os filhos de Deus podem dar frutos. “Aquele que nos enxertou na verdadeira vida nos fará produzir Seus frutos”. CIC §736. Ou ainda: “Alegrai-vos, sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos!” (Fl 4,4).

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 3 de 27