"Esvaziou-se a si mesmo..." (Flp 2,7)

Monday, 20 August 2018

  • Slide image one
  • Slide image two
  • Slide image three
QUARTA DOR: MARIA ENCONTRA JESUS NO CAMINHO DO CALVÁRIO PDF Imprimir E-mail

Agonia da Virgem no começo da Paixão de seu Filho.

Encontro da Mãe com o Filho:

Partiu Maria com João. Da passagem do Filho lhe faltavam os rastros de sangue pelo caminho, conforme ela mesma o disse a Santa Brígida. Boaventura Baduário fala de um atalho que a Mãe aflita tomou para ficar depois esperando numa esquina pelo Filho atribulado. Aí estava a espera dele, quando foi reconhecida pelos judeus e deles teve de ouvir as injúrias contra seu amantíssimo Jesus. [...]

Fitaram-se, finalmente. Como diz Santa Brígida, o filho afastou dos olhos o sangue coalhado que lhe impedia a vista, então Mãe e Filho fitaram-se!

Ó céus, que olhares cheios de dor! Transpassaram, como setas, esses dois corações que tanto se amavam e queriam.

Maria segue Jesus até o calvário

Ah! Virgem Santíssima, aonde ides? Ao Calvário? Tereis ânimo de ver pregado à cruz Aquele que é vossa vida? [...]

Adiante vai o Filho, e atrás segue a Mãe para ser crucificada com ele, diz Guilherme, abade. (Santo Afonso de Ligório, 1989, p.287)

Nessa meditação, com a visão materna e fitando os olhos na Mãe da Igreja, é válido ressaltar o quão precisamos também aceitar as cruzes que sobrevierem aos nossos filhos e aos que amamos. É certo que haverá dores e caminhos árduos àqueles a quem estimamos e que somente poderemos acompanhar, não poderemos poupá-los quanto ao sofrimento, e claro, sofreremos juntos. Mas há uma graça especial nesse contexto espiritual, que é a “missão particular”.

Hoje, talvez como mãe, pai, filho, irmão, nos encontremos em uma situação de dor, por querermos estar no lugar de outro alguém de quem amamos e queiramos muito bem, mas há uma cruz, uma missão para cada um de nós. É preciso resignação e fortaleza, para não encurtarmos o caminho, aliviarmos as dores, para não furtar a santificação que está nesta cena das nossas vidas.

Há dores dos outros que também serão suas. Haverá santificação para ambos.

Creia que suas dores são sementes, que a missão do outro passando pela sua missão, gerará vida!

Que a Virgem das Dores nos auxilie nesse caminho, nessa ascese, nessa necessidade de morrer, cada passo mais.


"Ó minha Mãe dolorosa! Pelo merecimento da dor que sentistes, vendo vosso amado Jesus conduzido à morte, impetrai-me a graça de também levar com paciência as cruzes que Deus me envia. Feliz serei, se souber acompanhar-vos com minha cruz até a morte. Vós e Jesus, que éreis inocentes, carregastes uma cruz tão pesada, e eu, pecador, que tenho merecido o inferno, recusarei carregar a minha? Ah! Virgem Imaculada, de vós espero socorro para sofrer com paciência todas as cruzes. Amém!" (Santo Afonso de Ligório, 1989, p.289).

 

Mônica Renata da Silva

Discípula Missionária Kénosis