"Esvaziou-se a si mesmo..." (Flp 2,7)

Wednesday, 12 December 2018

  • Slide image one
  • Slide image two
  • Slide image three
Reflexões
"Pois Ele falou e tudo se fez" PDF Imprimir E-mail

Deus criou“Erga a cabeça e volte para Deus, que o está esperando para escrever uma nova história em sua vida”.

Que, neste ano de 2015, a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guarde os nossos corações em Nosso Senhor e Salvador. Muitas vezes, nós não queremos nos esvaziar de nós mesmos, por isso clamemos ao Senhor: “Senhor, esvazia-me de mim, e encha-me de Ti”. Esta é uma oração, contudo, muitas vezes, relutamos em rezar assim porque estamos tão cheios de nós mesmos que não conseguimos nos esvaziar para sermos preenchidos pelo Senhor. Desse modo tendemos a pensar que nos encher de Deus é um mau negócio. No entanto, isso não é verdade, somente quando estamos repletos de Deus é que somos plenamente felizes. É isso que precisamos alcançar neste ano de 2015: estarmos repletos do Espírito Santo de Deus.

Há mais de vinte anos, eu estava em um encontro da Renovação Carismática Católica em Goiânia. Eu estava vazio de mim mesmo e Deus estava lá, logo o Senhor me deu uma música na qual Ele fala em primeira pessoa por intermédio de uma palavra de profecia:

“Desperta, povo meu, para o louvor e a adoração. Desperta, povo meu, para bendizer aquele que é santo. Desperta, povo meu, para o louvor e a adoração. Desperta, povo meu, para bendizer aquele que é santo. Desperta, povo meu, pois quero restaurar-te, desperta, desperta, meu Israel, meu amado. Precisas confiar em mim, não perdes nada em acreditar que sigo ao teu lado, sou teu Deus, um Deus apaixonado. Precisas confiar em mim, não perdes nada em acreditar que sigo ao teu lado, sou teu Deus, um Deus apaixonado”.

 
Imaculada Conceição PDF Imprimir E-mail

dom-orani-tempestaReflexões do Cardeal Dom Orani João Tempesta, O. Cist., Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro, 08 de Dezembro de 2014 - A solenidade da Imaculada Conceição de Maria está colocada liturgicamente em um lugar privilegiado, ou seja, no tempo litúrgico do Advento, e ajuda-nos a ver a Nossa Senhora no cumprimento da sua missão na história da salvação. Já celebrada no século XI, esta solenidade insere no contexto do Advento-Natal, unindo a expectativa messiânica e o retorno glorioso de Cristo com a admirável memória da Mãe. Neste sentido, este período litúrgico deve ser considerado como tempo particularmente adequado para o culto da Mãe do Senhor. Maria é toda santa, imune de qualquer mancha de pecado, como que plasmada pelo Espírito Santo e feita nova criatura. Profeticamente vislumbrada na promessa da vitória sobre a serpente feita no livro do Genesis, Maria é a Virgem que conceberá e dará à luz um filho cujo nome será Emanuel. O dogma da Imaculada Conceição foi proclamado por Pio IX em 1854.

 
Os dons nos foram concedidos não para nossa vaidade, mas para servir e amar a Deus e ao próximo PDF Imprimir E-mail

Amar DeusBelém do Pará, 13 de novembro de 2014 - Ao aproximar-se o final do Ano Litúrgico, a Igreja nos brinda com a conhecida Parábola dos Talentos (Cf. Mt 25, 14-30). Aquele que é a Sabedoria de Deus (Cf. 1 Cor 1, 24) nos oferece o caminho para assumir com dignidade a vida que nos foi dada de presente. A partir da parábola, "talento" veio a significar um dom, habilidade ou qualidade. Ao tempo da redação do Evangelho, talento era uma unidade monetária equivalente a cinquenta quilos de prata, correspondente a cerca de seis mil denários, e um denário era a diária de um trabalhador do campo. O servo da parábola que recebeu um talento tinha muito em mãos e podia fazer tanto com o que lhe fora dado.

As parábolas são propostas pelo Senhor para provocar positivamente, suscitando uma resposta de vida. Do dinheiro passamos à nossa história. Os servos somos nós; os talentos são as condições oferecidas por Deus a cada um; o tempo de viagem do proprietário é a vida; a volta inesperada é a morte, nossa páscoa pessoal; a prestação de contas é o juízo e a entrada na festa, o banquete da alegria, oferecido pelo Senhor, o Paraíso. No final de tudo, quando a obra de nossa vida estiver concluída, no tempo certo conhecido pelo Senhor da História, haveremos de entregar os dons que nos foram concedidos não para nossa vaidade, mas para servir e amar a Deus e ao próximo.

 
A santidade em 3 passos PDF Imprimir E-mail
santidade 3 passosA santidade à qual aspiramos é a santidade dos pequenos, das crianças que confiam. É a santidade do amor cotidiano, dos gestos simples de entrega.
 
Uma santidade feita de pequenos gestos. Uma santidade que consiste em fazer as coisas cotidianas extraordinariamente bem. Uma santidade do amor que se entrega com liberdade e paz no dia a dia.
 
Ser santos hoje não significa afastar-nos do mundo. Não, muito pelo contrário! O mundo de hoje precisa de santos vivos e próximos, que possam ser tocados. Às vezes colocamos a santidade tão longe das nossas vidas, que não acreditamos na santidade dos que estão mais perto de nós.
 
Vestimos a santidade de perfeição e não admitimos, então, que os santos tenham defeitos. Nem erros. Nem quedas. Desenhamos uma santidade de branco e ouro, de perfeições inalcançáveis e, assim, nos eximimos da obrigação de ser santos.
 
Quem são os santos? PDF Imprimir E-mail

Santos02Fomos criados à imagem do Santo, isto é, de Deus. Sendo assim o nosso modo de ser e de pensar é afinado com o modo de pensar e de agir de Deus. O contrário é aberração, é antinatural. A natureza humana foi feita para receber a divina.

Quando falamos de santos, estamos tendo como referencial o Santo, Deus. É santa aquela pessoa que amou, que fez o bem, que foi feliz. Exatamente por isso soube perdoar, interessou-se pelos outros. Podemos ter como ideário dos santos as Bem-Aventuranças. Viveram o seu agir especialmente a partir dos valores apontados nesse discurso de Jesus.

Celebramos três momentos de santidade: o momento passado em que recordamos aqueles denominados justos, o momento presente em que vivemos a graça de Deus, a santidade como dom, e o momento futuro, quando nos reuniremos, no céu, aos que nos precederam. 

A santidade do tempo presente é medida pela vivência das Bem-Aventuranças. Por isso hoje é nosso dia também, dia daqueles que tem em cada uma das bem-aventuranças de Jesus os mandamentos do seu dia a dia.

Quando homenageamos alguém e o intitulamos santo, queremos reconhecer nele a ação da Graça Divina que se concretizou na configuração da imagem do Criador nessa criatura. 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 Próximo > Fim >>

Página 2 de 5